DOUTORCIÊNCIA

ADVERTORIAL

ADVERTORIAL

O que esse momento tem a ver com o Infarto e o AVC?

1147 mortes ontem no Brasil

Por Luiza Martins em 07/04/20

Não! Não foi pelo Coronavirus, mas infelizmente foram pelas doenças cardiovasculares. O infarto e o AVC matam DIARIAMENTE no Brasil, em torno de 1.100 pessoas.

São em torno de 34 mil óbitos por mês e 420 mil por ano devido às doenças cardiovasculares.

Infarto e o AVC são as principais causas de morte no Brasil e no mundo, nem se somarmos TODAS as doenças infecciosas, elas não chegarão perto da letalidade e mortalidade do infarto e do AVC.

A hipertensão, colesterol alto e diabetes podem sim ser agravantes do COVID-19

Segue abaixo parte da matéria publicada pelo HCor (Hospital referência em cardiologia na cidade de São Paulo):

O novo coronavírus é uma família de vírus conhecida desde 1960, que sofreu uma mutação genética e acabou se transformando em algo que ainda não havia sido identificado em humanos. Transmitido pelo ar e pelo contato próximo com as pessoas infectadas, o COVID-19 pode ter sintomas semelhantes ao resfriado, evoluindo para casos graves de insuficiência respiratória aguda.

Pessoas acima de 60 anos ou que tenham doenças respiratórias, cardiovasculares ou diabetes estão mais propensas a contrair a doença. Segundo a OMS, para esta população, a instituição aconselha maior cuidado em evitar aglomerações ou locais com pessoas doentes.

De acordo com o American College of Cardiology, que lançou um boletim para orientar os profissionais de saúde quanto ao assunto, dentre os pacientes hospitalizados pelo novo coronavírus, 50% possuíam doenças crônicas sendo que 40% possuíam doença cardiovascular ou cerebrovascular. 

Casos fatais

Entre os casos fatais 86% tinham acometimento respiratório, desses 33% acometimento cardíaco associado e 7% acometimento cardíaco isolado.

Coronavírus e doenças cardiovasculares

A infecção viral leva a uma série de reações responsáveis por desequilibrar doenças cardiovasculares que antes estavam compensadas. Segundo Dr. Felix Ramires, cardiologista e coordenador do programa de Insuficiência Cardíaca do HCor, pacientes com doenças cardiovasculares prévias têm, por vezes, alterações em seu sistema imunológico além de um estado inflamatório crônico latente, o que pode agravar a evolução da doença.

Histórico de pandemias e doenças cardiovasculares

Em pandemias passadas por vírus respiratórios, a mortalidade por doenças cardiovasculares chegou a ultrapassar todas as outras causas, ficando à frente da pneumonia em outras situações.

Pacientes com doenças crônicas, hipertensão, diabetes e que já tiveram alguma doença cardíaca como infarto ou passaram por alguma cirurgia cardiovascular ou que tem insuficiência cardíaca, são um grupo de maior risco. Nesse grupo existe uma predisposição para desenvolver a forma grave da doença, não especificamente para ser contaminado pelo covid-19”, orienta.

Cuidados com os cardiopatas

O cuidado é o mesmo para todos. Porém, como este é o grupo de pacientes que tem o maior risco de desenvolver a forma grave da doença, mesmo tendo apenas hipertensão ou diabetes, a prevenção deve ser dobrada, para que eles não adquiram a doença.

“Portanto, devem evitar aglomerações, sempre que possível trabalhar de casa, evitar contato próximo com pessoas que voltaram de viagem de lugares onde o surto esteja mais prevalente. O isolamento domiciliar deste grupo é mais recomendado para que não sejam contaminados com o vírus”, explica Dr. Ramires.

Diabéticos também estão no grupo de risco

Outras pandemias virais

Além disso, outras pandemias virais como SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) e MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio) causaram miocardite e insuficiência cardíaca de rápida progressão, assinalando que o coronavírus pode ter potência de infectar o coração isoladamente.

“Esses vírus foram implicados em descompensação de doença arterial coronariana com ruptura de placa e infarto agudo do miocárdio.

Não existe CURA para o Coronavírus, mas…

No momento não existe NENHUM medicamento que acabe ou previna o Coronavirus. No entanto existem estudos mais antigos que mostram a relação do resveratrol com outros tipos de Coronavírus.

Em um estudo de 2016, da pesquisadora de Biologia Molecular da Universidade da Califórnia Jennifer Zhang, o resveratrol, um composto natural encontrado principalmente nas sementes de uvas e no vinho tinto, foi avaliado quanto a qualquer atividade anti-coronavírus em um sistema de cultura de células in vitro.

Segundo outra matéria do HCor, o Resveratrol é importantíssimo no fortalecimento do sistema imunológico.

Alguns alimentos cumprem a função de colaborar com a defesa do organismo e evitar uma série de doenças. Uma pesquisa da Universidade Estadual de Oregon, nos Estados Unidos, mostra que uvas roxas e blueberry, também conhecida como mirtilo, cumprem este papel de fortalecimento do sistema imunológico.

O benefício vem de duas substâncias, resveratrol e pterostilbena, ambas da família dos estilbenoides. Segundo a pesquisa, elas agiam em conjunto com a vitamina D, fortalecendo as defesas naturais do organismo. O resveratrol e a pterostilbena aumentaram a expressão do gene CAMP (catelicidina humana), que está diretamente ligado às funções imunes do organismo.

Outros estudos já indicavam um potencial cardioprotetor e benefícios anti-inflamatórios das substâncias, especialmente do resveratrol, encontrado em uvas roxas. Já a pterostilbena pode ser ingerida a partir das blueberries. “A descoberta reforça um conceito básico da nutrição saudável, o de ingerir menos alimentos industrializados e mais alimentos naturais, como são as frutas”, afirma o Dr. Celso Cukier, nutrólogo do HCor.

A Solução

Dada a relação do COVID-19 com as doenças cardiovasculares é importante as pessoas do grupo de risco terem cuidado redobrado e reforçar a imunidade, e uma das formas mais simples de ser fazer isso é com o consumo diário de resveratrol-trans.

Considerando tais fatos e a importância de se prevenir, juntamente com a dificuldade de se encontrar produtos naturais de boa qualidade no Brasil, vamos deixar abaixo o link do HIPERCONTROLL. Ele possui o resveratrol-trans em sua fórmula e segundo relatos dos consumidores tem feito a diferença na vida de muitas pessoas que optaram por dar uma atenção à saúde de forma natural e hoje frente ao cenário atual se sentem menos vulneráveis.

Composição

A principal composição do Hipercontroll é o Resveratrol-Trans que conforme as matérias e pesquisas citadas no texto, vão ajudar a aumentar a imunidade principalmente para aquelas pessoas que tem doenças cardiovasculares ou outras doenças crônicas.

Onde encontro HiperControll?

Agora, atenção! Compre sempre direto no site oficial do fabricante: www.hipercontroll.com. Somente através do site oficial você comprará o produto ORIGINAL.

Clique na imagem abaixo para ir direto ao site oficial do fabricante:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

2020 © Blog Doutor Ciência. Todos os direitos reservados – Políticas de Privacidade – Termos de Uso